Cena Paraense

maio 16, 2020 Off Por LS
Please follow and like us:
RSS
Follow by Email
Facebook
Google+
http://politicasdocus.com/2020/05/16/cena-paraense/
Twitter

 

Seria impossível falar detalhadamente da cena do Pará, tamanho o número de artistas e ativistas que circulam por diversas cidades do estado amazônico. O que podemos falar é que os coletivos, artistas e ativistas que produzem obras, performances e ações na perspectiva das dissidências da sexualidade e do gênero possuem fortes ligações com o território no qual se encontram. Isso significa que existem ecodrags, the mônias, performers que trabalham de maneira interseccional com as questões climáticas, ecológicas, caboclas, indígenas e em negociação com o aparato colonial como forma de preservação da vida e também de enfrentamento. A pesquisadora Juliana Bentes em sua dissertação de mestrado “Ekoaverá: um estudo sobre a territorialidade nos processos identitários das drags demônias” (2019) descreve os espaços de socialização, eventos e festas LGBTTQIA+ de Belém, como a festa Noite Suja, evento criado em referência à banda Truque Sujo de Cláudia Wonder. Bentes identificou as quatro famílias (Haus), a exemplo do célebre Paris is Burning, filme icônico, que compõem o movimento drag em Belém: a Haus of Soledade, a Haus of Caninanas e Mambas Negras, a Haus of Carão e a Haus of Riqueza. Entre as drags que compõe toda essa cena estão Tristan Soledade (Maruzo Costa), Simone (Matheus Aguiar), Sarita de Gzuis (Gabriel Luz), Xirley Tão (Adriano Furtado), Luna Skyyssime (a própria Juliana Bentes), Perséfone de Milo (Bruno Sacramento), Yndjáh Báh (Luann César), Pandora Rivera Raia (Felipe Modesto), Gigi Híbrida Bolero (Jean Negrão), Monique Lafon (Brendo Pinheiro), Rudá Urbana (Danyllo Bemerguy), Aka Della (Fabrício Souza), Flores Astrais, Lady Milady (Dario Jaime), Black Jambú (Meg Dias), Leid (Diel Bentes), Don Pine (Maiara Carmona), Shayra Brotero (Alecson Castro), La Falleg Condessa (Leonardo Botelho), Rubi da Bike (Ana Paula Gomes), Luka Cortez (Lucas Paixão), Bunny (Eduardo Teixeira), Amoras (Victor Amoras), Condessa De Devonshire (Leandro Trindade). Para além da cena drag, vale citar o trabalho pioneiro de Elói Iglesias, as ações do performer e fotógrafo, Leandro Haick, também chamado de Judith Haick, e que realizou performances importantes na última década, além do trabalho de Pedro Olaia (Sophia) que atualmente vive na cidade de Bragança. Importante frisar os trabalhos, performances e atuações da travesti parauara Xan Marçall (radicada há 13 anos em Salvador, atualmente atriz do Coletivo das Liliths), que em seus trabalhos poéticos vem salientando as questões de gênero e sexualidade sob a perspectiva imagética amazônida, e de José Sena (Caboka dissidente). Belém também conta com grandes nomes da cena, a exemplo de Leona Vingativa, que emergiu a partir de seu canal no YouTube e é um nome já reconhecido nacionalmente, trabalhando na perspectiva da periferia da capital paraense, com paródias cômicas e debochadas de hits de sucesso da música internacional e tocando em temas que vão da discriminação à questão ambiental. Enfim, o Pará merece um mapeamento exclusivo devido ao tamanho e diversidade de sua cena que não cabem aqui.

 

Obras selecionadas:
– “Papa-Xibé” com Elói Iglesias, um dos representantes da festa As Filhas da Chiquita – a performance ganhou o Prêmio Estímulo Funarte 1996 (o performer tomava banho nu com 30 litros de açaí e depois salpicou com farinha de tapioca em protesto contra a extração do palmito)

– Flor Manifesto (2011) de Leandro Haick: em um dia fora do período da festa, o performer realizou o percurso da procissão do Círio do Nazaré, nu, com flores brancas de papel coladas ao corpo, a qual oferecia ao público nas ruas. Na folha de papel, que dava formato a flor, estava escrito o poema célebre do amazonense Thiago Mello, “Os Estatutos do Homem”. Das 70 flores que cobriam seu corpo, Leandro conseguiu distribuir sete.

 

Links:
Frescah no Círio – Leona Vingativa (2015): https://youtu.be/jUIJ-efTykY
Minha Paixão – Leandro Haick (2012): https://youtu.be/4HYOG6INxMY
Deleite – Pedro Olaia (2010): https://youtu.be/wzAkh8g7YrY

 

 

Please follow and like us:
RSS
Follow by Email
Facebook
Google+
http://politicasdocus.com/2020/05/16/cena-paraense/
Twitter