Políticas do CUS


 

A Periódicus, revista de estudos indisciplinares em gêneros e sexualidades, lança chamada para o dossiê e sessão livre do seu quinto número, que deve ser lançado em maio de 2016. Intitulado “Corpo, política, psicologia e psicanálise: a produção de saber nas construções transidentitárias”, o dossiê será organizado por Patricia Porchat, professora da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (campus Bauru), e Thamy Ayouch, professor da Universidade de Lille 3.(leia chamada abaixo).

Os textos deverão ser enviados exclusivamente para o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. até dia 14 de fevereiro de 2016 dentro das normas disponíveis no site da revista (http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus). A sessão livre recebe submissões em fluxo contínuo.

O quarto número da revista, com dossiê Guerrilha de linguagem: re(ex)sistência cultural e subversão dos regimes de poder, organizado pelos professores Carlos Henrique Lucas Lima (UFOB) e Anselmo Peres Alós (UFSM), será lançado ainda em dezembro de 2015. O terceiro número, com dossiê sobre Judith Butler, foi lançado no II Seminário Internacional Desfazendo Gênero.

A revista Periódicus é uma publicação online semestral de divulgação científica do grupo de pesquisa CUS - Cultura e Sexualidade, criado em 2007 e vinculado à Universidade Federal da Bahia, ao Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, ao Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade e ao Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT). O objetivo principal da revista é divulgar, traduzir e fomentar os estudos queer em diálogos com os estudos decoloniais e das subalternidades.

Proposta do dossiê:

O próximo número da revista Periódicus será dedicado à discussão dos impasses e das soluções possíveis no campo da saúde das pessoas trans. Politizar a conversa entre a psicologia e a psicanálise sobre as transidentidades visa a aproximar o mundo psi, o saber médico e o psiquiátrico da multiplicidade de experiências de pessoas que questionam a pertinência às categorias de sexo e de gênero tradicionais. As psicologias e a psicanálise, com raras execeções, reforçaram nos últimos anos o uso de diagnósticos que operam na chave da patologização. O direito à construção e modificação do corpo está no cerne desse debate. O diálogo com o saber médico e psiquiátrico chegou a um impasse, senão a um esgotamento. A psicanálise e a psicologia só vão caminhar se permitirem às pessoas trans serem sujeitos e produtores de um saber e não objetos de um discurso científico sobre si próprias. Para esse dossiê buscamos dar visibilidade a saberes locais, minoritários e deslocalizados das experiências transidentitárias, devolvendo às pessoas trans a posição de sujeitos da sua fala. Também buscamos praticantes de uma psicologia e de uma psicanálise que se definam como escuta da hipersingularidade e renunciem a ocupar uma posição de poder. Este questionamento das teorias oficiais da psicanálise sobre transidentidades pelos saberes subalternos trans é, a nosso ver, a única garantia de manutenção de uma perspectiva verdadeiramente crítica na psicánalise. Pretende-se alcançar a produção de um saber trans que possa inovar o campo psi.

Compartilhe

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Política de saúde integral à população LGBT e despatologização das sexualidades. Esses são os principais temas, dentre outros, que serão abordados na roda de conversa temática sobre saúde e sexualidade, que acontece na próxima sexta-feira, 04, no primeiro dia da programação do II Seminário Internacional Desfazendo Gênero. O evento seguirá até 07 de setembro, no campus de Ondina da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

O encontro será no auditório B, no pavilhão de aulas 5, das 13h30 às 17h30. À frente da discussão estará o professor e pesquisador Wiliam Siqueira Peres, que atua nas áreas de psicologia e estudos de gênero, e a psicanalista e professora Thereza Coelho, doutora em Saúde Coletiva e autora do livro “Transexualidades: um olhar multidisciplinar”. A roda de conversa é apenas uma das sete que integram a programação. Por serem divididas em eixos temáticos a partir de um olhar inter e transdisciplinar, essas rodas foram batizadas de Encontros de Diálogos Interdisciplinares (EDIs).

O objetivo é incentivar reflexões acerca das questões de gênero e sexualidade. No caso do EDI focado em saúde, a proposta é interagir com o público em um debate pautado em assuntos como o acesso ao sistema de saúde e os cuidados ligados à saúde mental dessa população. O desafio será colocar as diferentes perspectivas e áreas do campo da saúde em diálogo, em torno de questões amplas e complexas, como as ligadas às expressões eróticas, sexuais e de gêneros. Um dos assuntos mais importantes é a despatologização das sexualidades.

Thereza Coelho participará do EDI - Saúde

“O acesso democrático aos dispositivos de saúde que se dizem ‘para todas e todos’ nem sempre ocorre de fato. Problematizar as práticas em saúde, em especial as questões voltadas às sexualidades e gêneros, abre possibilidades de ampliação para o acesso a bens e serviços de qualidade em que as pessoas possam ser reconhecidas e respeitadas independentemente das marcas das desigualdades sociais”, comenta a pesquisadora Thereza Coelho. 

Wiliam Peres estará no EDI - Saúde

Thereza Coelho – Formada em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), mestra e doutora em Saúde Coletiva, com ênfase em Ciências Sociais em Saúde. É autora de diversas publicações, como o livro “Transexualidades: um olhar multidisciplinar”. Desenvolve hoje pesquisas ligadas às práticas e concepções dos processos Saúde e Doença, assim como uma pesquisa dos múltiplos aspectos pertinentes à transexualidade. É professora do bacharelado interdisciplinar em Saúde da UFBA.

Wiliam Siqueira Peres – Formado em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), é doutor em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) com pós-doutorado em Psicologia e Estudos de Gênero pela Universidade de Buenos Aires. Conta com vasta produção bibliográfica no Brasil e no exterior. É autor do livro “Travestis Brasileiras – Dos Estigmas à Cidadania”.

 

 

Serviço

O que: Encontros de Diálogos Interdisciplinares – Saúde & Sexualidade

Quando: 04 de setembro.

Onde: auditório B, no pavilhão de aulas 5, das 13h30 às 17h30.

Evento integra a programação do II Seminário Internacional Desfazendo Gênero.

Programação completa no http://www.desfazendogenero.ufba.br/

Compartilhe

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Login