Políticas do CUS

Por que a heterossexualidade não é natural?

Avalie este item
(0 votos)

Conforme prometi no meu texto da semana passada, vou tratar hoje sobre a desnaturalização da heterossexualidade. No dia 17 de maio de 2011, Dia Mundial de Combate à Homofobia, a Folha de S. Paulo publicou um pequeno artigo meu sobre o tema. Até hoje aquele texto gera polêmica (leia o original e algumas das repercussões através do http://www.culturaesociedade.com/cus/index.php?limitstart=20)

 

Naquele pequeno texto, dentro dos limites estipulados pelo jornal para a publicação na versão impressa, eu apenas defendo que o combate à homofobia deve incluir também a problematização da heterossexualidade. Que, além de afirmar as identidades de LGBTs, devemos também evidenciar o quanto a heterossexualidade é imposta sobre todas as pessoas. Eu apenas tratava de temas recorrentes em dezenas de estudos mais recentes sobre sexualidades existentes no mundo, mas o texto recebeu críticas tanto de setores conservadores quanto de várias pessoas LGBTs.

Lendo algumas dessas críticas, percebo que muitas pessoas não compreenderam o argumento central porque ainda possuem uma forte convicção de que a nossa sexualidade, seja ela qual for, é um dado da natureza, da biologia ou até um designo de Deus ou qualquer outro ser sobrenatural. Vou aproveitar agora para apresentar mais argumentos e evidências concretas que demonstram o quanto a heterossexualidade não pode ser explicada apenas como um fenômeno biológico (no quesito religião não vou entrar).

Ou seja, por que a heterossexualidade não é natural?

Primeira observação: quando dizemos que a sexualidade de alguém não é natural ou normal não queremos dizer, com isso, que as pessoas são doentes. Apenas queremos dizer que a sexualidade de cada pessoa não é o resultado de ações exclusivas de cada um de nós. Ou melhor, que as nossas sexualidades sofrem fortes influências do meio onde vivemos. Por isso, provocamos ao dizer que, na verdade, todas as sexualidades são “anormais”. O objetivo da provocação é o de retirar o carimbo de “anormalidade” apenas de determinadas expressões da sexualidade. Certamente muitos heterossexuais ficam chocados quando digo que ser heterossexual é ser “anormal”. Eles sempre pensam que os “diferentes”, LGBTs, é que são anormais e de que eles, heterossexuais, são normais.

Mas por que, afinal, a heterossexualidade não é “normal”, nesses termos que esbocei acima. Não é “natural e normal” porque a sociedade obriga que todos sejamos heterossexuais e, para isso, desenvolve o que alguns pesquisadores/as, como Guacira Lopes Louro, chama de “pedagogia da sexualidade”. O que é isso? Mesmo antes de nascermos, a nossa heterossexualidade já é imposta sobre nós. Vários instrumentos são usados nesse processo, em especial as normas relativas aos gêneros (percebem que nas minhas reflexões eu nunca desvinculo as orientações sexuais das identidades de gênero). A escolha do nome e das roupas do bebê precisam atender aquilo que a sociedade determinou como nomes e coisas de menino ou de menina.

Assim, começamos a ser criados/educados e violentados para nos comportar ou como meninos ou como meninas. Caso não sigamos as normas, começamos a sofrer violências verbais e/ou físicas. Ou seja, a violência sofrida por aqueles que não seguem as normas comprova que a norma não é natural e normal. Se assim o fosse, a violência não seria necessária, pois todos e todas nasceriam heterossexuais! A violência é o modus operandi com o qual a heterossexualidade sobrevive inabalável. Temos esse modelo hegemônico de heterossexualidade a custa de muito sangue e dor.

Quando falo dessas questões em palestras, os heterossexuais ficam nervosos, às vezes levantam e vão embora. Alguns recorrerem à reprodução da espécie e aos hormônios para explicar a atração entre pessoas de sexos diferentes. Os mais afoitos dizem que se todos fossem homossexuais a vida humana na terra estaria ameaçada. Tudo isso revela o poder do discurso naturalizante sobre as nossas sexualidades. Primeiro: faz muito tempo que os homens perderam a capacidade de identificar quando uma mulher está no cio. Ao ingressar em uma nova etapa do processo histórico da humanidade, que Freud, por exemplo, chama de “civilização” ou de “cultura”, os homens e mulheres domaram os seus instintos e, no mínimo, os transformaram em “pulsões”.

O conceito de pulsão é complexo, é “aquilo que está entre o mental e o somático” e aqui pode ser traduzido entre aquilo que diz o corpo (biologia/instinto “natural”) e a mente. Ou seja, a nossa sexualidade não pode mais ser explicada como um dado exclusivo de nossos instintos, hormônios etc desde, pelo menos, Freud, lá pelos idos de 1900. É evidente que temos cargas hormonais diferentes entre homens e mulheres, mas não são elas que acionam o nosso gozo e não são elas que comandam o nosso processo de identificação em relação às orientações sexuais e identidades de gênero.

O nosso gozo e identificações são acionados por um sem número de outras coisas, a exemplo de imagens, experiências anteriores, associações que fazemos de forma consciente ou não. Isso não quer dizer que a ação de alguma pessoa seja determinante para a sexualidade de alguém. Os processos de identificação, todos eles, desde porque gostamos de determinada cor e não outra, sofrem milhares de influências externas que são decodificadas de formas igualmente diversas pelos sujeitos. Isso também explica porque, mesmo sendo educados para serem heterossexuais, muitas pessoas não decodificam a mensagem como deseja a maioria e orientam o seu desejo para outros “objetos”.

Estas explicações são as mais aceitas entre a comunidade científica do mundo, mas existem vários pesquisadores que já tentaram comprovar se existe algum gene ou causa biológica para a homossexualidade. Nenhuma dessas pesquisas é reconhecida como válida, até onde eu sei. Eu sempre pergunto por que os pesquisadores da área médica não fazem pesquisas para explicar porque as pessoas se tornam heterossexuais.

O que a norma heterossexual (que nós chamamos nos estudos de heteronormatividade) deseja é controlar e dar apenas uma resposta para isso. Para a lógica do pensamento heterossexual, todos devem ser héteros de uma forma só (sobre a diversidade da heterossexualidade tratei no texto anterior).

E sobre a perpetuação da espécie humana? Ora, eis mais um argumento que, no fundo, é homofóbico e profundamente vinculado a uma perspectiva naturalizante. Primeiro que, ao dizer que a heterossexualidade não é natural, não estamos dizendo que todos devam ser homossexuais (aliás, que pânico é esse, não é amigas?). Segundo: hoje existem tecnologias suficientes para a produção de gestações sem o famoso sexo papai-mamãe. Os primeiros a usar esses métodos, aliás, foram os heterossexuais, é bom lembrar.

Enfim, toda essa discussão não é feita, pelo menos no meu caso, para que todas as pessoas sejam LGBTs. Nada disso. O maravilhoso da humanidade é a sua diversidade. Problematizar a heterossexualidade tem a vantagem de: 1) denunciar a violência com a qual ela se mantém no centro; 2) revelar o seu caráter histórico e construído; 3) evidenciar que ela produz homofobia; 4) possibilitar que outras heterossexualidades sejam respeitadas e construídas.

Se vocês quiserem, continuo esse tema na próxima quarta. Nem falei que o conceito de heterossexualidade foi criado no final do século 18…

Em homenagem ao meu amigo Ronaldo, que aniversaria hoje, mando beijos de língua.

Compartilhe

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn
Ler 5408 vezes Última modificação em Quarta, 17 Julho 2013 14:55
Leandro Colling

Jornalista, mestre e doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Professor da UFBA e coordenador do CUS.

Mídia

Compartilhe

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Login